quinta-feira, março 30, 2006

Infinito portátil - o show

Foi ontem, no teatro do Hotel Crowne Plaza.
Tapete branco no palco, todo mundo descalço e vestido de branco. Casa cheíssima. Tinha até gente sentada no chão.
Rubi estava em plena forma. Cantou como nunca, uma música grudada na outra, o público nem tinha oportunidade de bater palmas. Quando deu uma brechinha foi um aplauso sem fim.
Além das músicas do disco, cantou outras que nunca ouvimos na voz dele. Por exemplo, Blues da piedade, do Cazuza e Por tudo o que for, do Lobão. Aí está a foto que tirei do roteiro de um dos músicos.

Ceumar participou também. Vestida de branco, entrou no palco com um ramo de flores e entregou ao Rubi. Juntos cantaram Tristeza e uma versão que eu não conhecia daquela música Tiro ao Álvaro, do Adoniran. A melodia era a mesma mas as palavras eram bem outras: falavam de amor.

Rubi voltou para o bis duas vezes.
E, claro, após o show apareceu no saguão para o costumeiro "beija-mão".
Foi assim... simplesmente emocionante!

terça-feira, março 28, 2006

De praia em praia

Falemos de cidades à beira-mar: Sitges, Torremolinos e Marbella, todas na Espanha.
De Barcelona a Sitges, é um pulinho. Fomos de trem. A cidadezinha é linda, com ruelas estreitas que vão dar no mar. Chegamos na hora da "siesta". Tudo estava tranqüilo. Comércio fechado. Fomos andando, andando ... e demos com a igreja, no final da rua principal. Por uma fresta se via o mar. Impossível não lembrar do Rooms by the sea de Hopper, reproduzido no início desse texto. Ana se superou reproduzindo a cena.

Sitges nos encantou... Mar, palmeiras, sereia e até um gatinho preto posando para as lentes de Ana.

Nosso parco catalão nos diz que "no embruteu les parets" é uma advertência contra as pichações nos muros. Mas a foto gerou polêmica no fotoblog de Ana. Houve até quem dissesse que a tradução era: " não perturbe o gato"...
Torremolinos fica pertinho de Málaga... Chovia. Mas nem por isso deixei de fotografar Europa, a filha do rei da Síria, montada no touro branco em que se transformou Zeus para conquistá-la.

A cidade fica no alto. Para chegar até a praia, há que se descer por uma longa e estreita rua-escadaria, onde fica a Bodega Quitapeñas, com seu belo painel de azulejos.
Não podemos dizer que a chuva nos atrapalhou: pelo contrário, suas gotas e poças nos proporcionaram belas imagens de estátuas e flores.

Marbella, visitamos de passagem, a caminho de Ronda. Encontramos um restaurantezinho agradável à beira-mar e nos juntamos às gordinhas da decoração... Quase passamos despercebidas!

Essas e outras fotos estão aí:

sexta-feira, março 24, 2006

De Barcelona a Málaga, via Milão

Chegamos a Barcelona num movimentadíssimo final de tarde de sábado. A Rambla estava quase intransitável.
No hostal nos ofereceram a oportunidade de ficar em um apartamento, a duas quadras da Rambla. Aceitamos sem pestanejar. Vejam a localização:

Já no dia seguinte pela manhã fomos rever o Palau de la Música Catalana, onde haveria um concerto. Foi então que conhecemos o violinista Ara Malikian, lindo e talentoso, que já apareceu em páginas anteriores desse blog. Aí vai o link pra quem quiser ver, ou rever:
Fotografamos o Palau por dentro e por fora, registrando sua suntuosidade e colorido.
Barcelona não era novidade pra nossas lentes, por isso as dirigimos para focos menos usuais: uma confeitaria antiga, um prédio adornado com sombrinhas japonesas, o horizonte tingido pelas cores do pôr-do sol em plena Rambla, um monumento moderno contrastando com os velhos edifícios da Barceloneta.
De Barcelona seguimos para Milão, onde enfrentamos o dia mais frio de nossa temporada no inverno europeu. Ali nos esperavam Leonardo, eternizado em pedra, fitando dia e noite o Teatro Scala, além de Chico César e Ray Lema, que cantavam juntos no Teatro Dal Verme, levando aos ouvidos milaneses a música do Brasil e do Congo num espetáculo inesquecível. Esse episódio também já foi narrado nesse blog, ainda no calor da hora...

Nosso próximo destino foi Málaga, na costa sul da Espanha. Lá contemplamos por fora e por dentro a bela catedral apelidada de "La Manquita". O motivo? A igreja tem apenas uma das torres. A segunda nunca foi terminada...
Para nos aquecer do frio das noites malagueñas, nos tornamos clientes freqüentes de "La Tetería", onde, a cada noite, provávamos chás deliciosos. Na tentativa de eternizar esses momentos, trouxemos pra casa um pedacinho da casa de chá:

Ainda em Málaga, visitamos a Alcaçaba e o Castelo de Gibralfaro, sinais da presença árabe no sul da Espanha.

Fotos desse trecho da viagem:

segunda-feira, março 20, 2006

Palma de Mallorca

Acostumadas à vida insular, dos Açores rumamos para as Baleares. Visitamos Palma, na Ilha de Mallorca.
A cidade nos surpreendeu positivamente, com seus prédios antigos e imponentes e sua catedral magnífica - por dentro e por fora - que podíamos ver do terraço do Hostal Apuntadores, onde nos hospedamos por obra e graça do acaso... e da internet.
A foto, tomada numa exposição na "lonja" de Palma, ilustra o poema " Mulheres correndo, correndo pela noite", Herberto Helder:

"O rosto no meio das letras, sufocado a um canto, de repente."
Mais fotos podem ser vistas no álbum abaixo:
Palma de Mallorca - Espanha

quinta-feira, março 16, 2006

Teatros do Espírito Santo


Os coloridos impérios ou teatros do Espírito Santo que quebram a brancura das freguesias terceirenses, são uma das formas mais acabadas e interessantes da arquitetura popular açoriana e das peculiaridades da sua forma de viver e sentir.

Cada freguesia - veja no mapa acima - tem um ou mais impérios. São mais de cinquenta. Remontam, na sua maioria, ao séc. XIX - substituindo os primitivos impérios, parte dos quais seriam, como se supõe, de madeira e desmontáveis.

Os impérios têm no topo da fachada a pomba branca ou a coroa, apresentam sempre três vãos frontais, com uma porta central ladeada por janelas e são elevados em relação ao nível da rua.

Anexas aos impérios encontram-se as "despensas", onde se guarda o pão, a carne, o vinho que vão ser utilizados nos festejos, quando a sopa do Divino Espírito Santo, a alcatra, o pão e o vinho são distribuídos a todos os participantes.

Quando estivemos na Ilha, comemos a "alcatra" - um dos pratos típicos de lá. Trata-se de um cozido de carne com vinho, feito em panela de barro. Bom!!!! Lembra um pouco o barreado que se come lá pelas bandas de Morretes, no Paraná.

Na Ilha Terceira culto ao Divino Espírito Santo se realiza, num período de oito semanas. Desde na Páscoa até o domingo da Trindade.

Há todo um calendário de eventos tradicionais que compõem esses festejos. Quem tiver curiosidade de saber mais sobre a festa e/ou sobre a Ilha Terceira, pode visitar o seguinte site:

Ilha Terceira
Em nosso recorrido pela Ilha, Ana fotografou todos os impérios pelos quais passamos. Eu também fotografei alguns...

Confiram!

Impérios

terça-feira, março 14, 2006

Na Ilha Terceira

Nos Açores, visitamos a Ilha Terceira, que foi assim chamada porque foi a terceira ilha do arquipélago a ser descoberta. Enquanto a ilha de São Miguel é a capital política dos Açores, Terceira é a sede religiosa do arquipélago. É em Angra do Heroísmo, a capital da Ilha Terceira, que fica a Catedral, com sua torre azulejada. Angra é bonita, muitas de suas casas ostentam bonitos balcões, com grades artisticamente trabalhadas, inclusive as do Teatro Angreense, no centro da cidade.
Alugamos um carrinho e demos duas voltas na ilha. Passamos por várias freguesias, cada qual com sua igreja e seu império. Não sabe o que são impérios? Pois aguarde, logo logo saberá!
A natureza nos brindou com lindas visões, inclusive a dos curiosos Ilhéus das Cabras. Fomos até Praia da Vitória, a segunda cidade da ilha, com sua igreja em tons amarelados e sua prefeitura antiga, que quase pode ser confundida com um igreja.

Ana fotografou os painéis de azulejos da série "Passeio dos Poetas", que estão espalhados por Praia da Vitória e outros que nos pareceram interessantes.
Algumas fotos estão aqui, é só clicar pra ver.
No mais, o que se pode dizer de uma ilha cujas duas cidades principais se chamam: Angra do Heroísmo e Praia da Vitória?

sexta-feira, março 10, 2006

Enfim... Tanger

Chegamos a Tanger no meio da tarde e Mohamed I "entregou-nos" ao nosso próximo guia marroquino: Yunes.

Mais jovem e menos conservador, Yunes nos escoltou pela Kasbah e pela Medina de Tanger, depois de nos acomodar no Hotel Chellah.
O primeiro trecho, subida, foi feito de táxi. Ao entrarmos na Kasbah - antiga cidade murada onde ainda moram muitos marroquinos - Yunes nos falou dos cinco pontos importantes que havia para ver ali:

  • A fonte, onde naquele exato momento um pequeno marroquino enchia sua garrafa de água, como já haviam feito seus ancestrais mais longínquos;
  • O forno, onde as famílias marroquinas levam seus pães para assar. O funcionário concordou em posar para fotos mediante uma pequena gratificação em dirhans, claro;

  • O museu, que foi visto apenas por fora;

  • A escola, vazia naquele momento;

  • E a mesquita, onde os praticantes do islamismo fazem sua orações cinco vezes ao dia.

Do alto da Kasbah, avista-se o mar.

Yunes, cumprindo à risca seu papel de guia, prontificou-se a tirar uma foto das turistas com o mar ao fundo. Vejam o resultado...

Inconfundível, não é mesmo? Qualquer pessoa ao olhar para essa foto saberá imediatamente que estamos em Tanger e não na Praia Grande.

Bem, creio que em termos de foto no alto da Kasbah, consegui uma um pouco melhor:

O que acham?

Da Kasbah, chegamos à Medina, sem nem mesmo notar.

Mas isso será assunto para uma próxima "conversa"!

sexta-feira, março 03, 2006

Balanço

Interrompo os relatos da viagem para listar aqui as cidades por onde passamos. Vai por ordem cronológica. As marcadas com um asterisco são aquelas pelas quais passamos mas não ficamos para dormir...

CIDADES EUROPA 2006
01 - Lisboa
02 - Cascais *
03 - Sintra *
04 - Ponta Delgada (Ilha de São Miguel, Açores)
05 - Angra do Heroísmo (Ilha Terceira, Açores)
06 - Praia da Vitória (Ilha Terceira, Açores) *
07 - Palma (Mallorca, Ilhas Baleares)
08 - Barcelona
09 - Sitges *
10 - Milão
11 - Málaga
12 - Torremolinos *
13 - Marbella *
14 - Ronda
15 - Algeciras
16 - Ceuta *
17 - Tetouan *
18 - Tanger
19 - Mérida
20 - Cáceres
21 - Madri